Meio Silêncio

by - 23:38



Mas era nos olhos, só nos olhos, que se fixava aquele mudo apelo, aquele grito. Nem sei. Aquela clara maldição. Saí, saiu. Não dissemos nada. Eu só tenho esperas. Ele traz a tranqüilidade de mais nada esperar.

(...)

Neste espaço branco de madrugada e lua cheia, preciso falar, e mais do que falar, preciso dizer. Mas as palavras não dizem tudo, não dizem nada. O momento me esmaga por dentro. O espanto esbarra em paredes pedindo exteriorização.

Caio F. Abreu em Meio Silêncio.

Você também pode gostar

11 comentários

  1. amor apenas isso...
    desse jeito ao infinito.

    Te amo pequena!

    ResponderExcluir
  2. Em meio a tanto transbordamento as palavras desaparecem, o corpo entra em agonia e os olhos evidenciam o que da boca silencia.

    Beijos pra Ti

    ResponderExcluir
  3. palavras de caio são esmagadoras.

    ResponderExcluir
  4. Caio diz exatamente da maneira que gostariamos de dizer.

    ResponderExcluir
  5. Parece que ele carregava em si a dor do mundo todo, porque não há quem não se identifique, quem não se veja refletido nele.

    Amo Caio pra sempre.

    Um beijo.

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  6. Caio que até no silêncio é delicioso.
    Ah, põe delicioso nisso.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. É sobre o fim, não é?
    Amei isso ''a tranquilidade de mais nada''

    ResponderExcluir
  8. E quando nem as palavras conseguem dizer, o que fazer? Hiato... puro vazio exterior.
    Belo texto!

    ResponderExcluir
  9. Oi , Luciana !


    Que lindo trecho do Caio você escolheu ...



    Bjo.

    ResponderExcluir
  10. .

    Pois e´, Lu, o Caio sempre retrata nossos momentos com sua linda poe´tica. Era um produndo conhecedoer da alma humana.


    Beijos pra ti.

    .
    .

    ResponderExcluir