Foi ontem

by - 14:10


Dia desses eu estava pensando no tempo. Domingo já é dia dos pais, agosto já caminha para a metade e daqui a pouco é natal, ano novo, carnaval e por aí vai. Parece que foi ontem que a minha vida começou a mudar radicalmente, que passei a ficar sem tempo e deixei um monte de coisas de lado. Foi ontem que me redescobri, chutei o pau da barraca e vi que precisava tomar uma atitude.

Ontem foi dezembro, mês de propostas absurdas e aparentemente sem futuro. Emprego novo, rotina nova. Foi ontem que comecei a aprender a lidar com mudanças radicais e inesperadas, com quebras de rotina. Ontem eu me frustrei, fiquei deprimida e sem perspectivas, afinal de contas, a vida é composta por vários lados que formam um todo. Precisamos de tudo para caminhar com calma. Eu não tinha tudo e só ontem foi que percebi.

Foi ontem que comecei a enxergar as minhas vontades e perceber que havia deixado muita coisa de lado. Ontem era março, ontem era abril, quando a vida virou bagunça de novo e mudei novamente. Mudei o trajeto, mudei de setor e me tornei uma cigana no local de trabalho, sempre em uma mesa nova. Mas foi ontem também que criei raiz e me tornei conhecida. Me reconheci.

Ontem era junho e tudo aquilo que eu acreditava ser eterno se desfez. O coração, agitado como quem corre uma maratona, se rebelou e bateu o pé, não quis mais esperar. Fiz uma faxina na casa, mudei os móveis de lugar e joguei muito lixo fora. Foi ontem que decidi me enxergar e ouvir tudo o que o meu coração gritava enlouquecidamente. Ontem comecei a me amar de verdade.

Foi ontem que a vida ganhou um filtro amarelo, tipo Instagram. Ontem era julho e a felicidade antes clandestina se tornava diária. Descobri que é possível caminhar lado a lado e que responsabilidades podem ser divididas. Ontem comecei a descansar, a não criar expectativas e a perceber que sim, tudo acontece no tempo certo. Ontem era julho e eu começava a riscar itens de uma lista. Ontem era julho e eu descobri que podia amar de novo.

Ontem já era agosto. Os pesos foram diminuindo e a roda viva continuou a rodar. Ontem o amanhã estava sumindo. Mas hoje, depois de tanto ontem, o amanhã volta a gritar nos meus ouvidos. Estou ouvindo, seguindo e sentindo.

Você também pode gostar

7 comentários

  1. Esse texto tá tão bom, tão lindo, que me fez pensar em um monte de coisa de uma vez só. Acho que não passei nem um minuto lendo, mas um filminho de uns 24 anos passou pela minha cabeça. Sei que a sua escrita é pessoal e este texto parece bem intimista, mas foi inspirador, Lu, pode crer. Não pelos mesmos motivos que os seus, mas por vários outros que a gente carrega no colo. Ontem a gente tinha o que parecia ser tudo e hoje, e a partir de hoje, a vida tem outro sentido.
    Muito, muito, muito bom. Foi ótima essa leitura pra mim. Valeu mesmo!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, obrigada, Mari!
      Esse tipo de texto faz a gente refletir muito mesmo. E fico feliz que tenha sido inspirador pra tu.
      Beijo!

      Excluir
  2. Que lindo luluuuu ♥ lembrou meu texto "tanto ontem"
    A vida é repleta de mudanças, mas uma hora tudo se aquieta e o coração volta a ficar tranquilo.

    Beeeeeijo gigante♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me inspirei no teu, Fê. Comentei lá que, depois de ler, fiquei morrendo de vontade de escrever algo sobre.

      Obrigada pela inspiração!

      Excluir
  3. Falar sobre o tempo é sempre fértil de associações mas as suas ficaram suaves e ponderáveis.
    Não podemos medir, nem ver como passa diante da gente, mas sempre podemos nos orgulhar do que nos tornamos a cada segundo do relógio.

    Belo ponto de vista.

    ResponderExcluir
  4. Que lindo Lulu! E leve!
    Bom te ver leve e sorrindo de novo! E achando graça das coisas! E contando casos!
    Bom ver que as coisas estão se ajeitando. Você merece muitos e muitos sorrisos. ♥

    ResponderExcluir
  5. Ontem, foi tempo de aprendizado. Hoje é tempo de viver e amanhã será um tempo em que não sabemos como vai ser, mas sabemos que o estamos contruindo hoje.

    Hoje, amor, é o nosso tempo!

    ResponderExcluir