Convite

26 de abril de 2008 //


~*~Convite~*~

Não sou a areiaonde se desenha um par de asas
sou grades diante de uma janela.
Não sou apenas a pedra que rola
nas marés do mundo,
em cada praia renascendo outra.
Sou a orelha encostada na concha
da vida, sou construção e desmoronamento,
servo e senhor, e sou
mistério

A quatro mãos escrevemos este roteiro
para o palco de meu tempo:
o meu destino e eu.
Nem sempre estamos afinados,
nem sempre nos levamos
a sério.



- Lya Luft -

1 comentários:

  1. Bom dia, Luciana.
    Confesso que sempre tive uma certa reserva em relação à Lya Luft. Parecia ser aquela velha onda massiva de livros de auto-ajuda. Certo dia, aniversário de minha mãe - que é fã da autora - resolvi presenteá-la com um livro da Lya. Aproveitei o ensejo para lê-lo. Que surpresa! Mais uma vez o julgamento apressado (daquele que ignora mas ainda assim quer julgar como se pudesse fazê-lo com propriedade) revela-se o pior e mais falho julgamento. Dela eu li crônicas e um ou outro conto. Só não sabia que ela escrevia poemas também. [;)]

    ResponderExcluir