Autossabotagem

24 de setembro de 2014 //


Vezenquando fico inconformada com a minha própria vida. Em alguns momentos, quando um monte de coisas dão errado, eu paro e começo a pensar em como a minha vida está mais bagunçada do que quarto de adolescente. Não tenho rotina, não consigo organizar minhas tarefas e sempre acabo esquecendo algo importante. Como digo aos meus alunos, só não esqueço a cabeça por que ela é grudada ao corpo. Diante de tudo isso, constato revoltadíssima que a minha vida está uma zona! 

Além dessa zona cotidiana, o pior é perceber que estou nessa bagunça por culpa exclusivamente minha. Eu sei que preciso fazer, sei como posso me organizar e tornar meu tempo mais produtivo. Sei tudo isso, sei mesmo. Porém, nunca coloco em prática. Ou até pratico, mas já nos quarenta e cinco do segundo tempo, quando estou prestes a perder o prazo de alguma coisa ou no tempo limite para fazê-la.

Eu me saboto. Na tentativa de fugir dos problemas ou das coisas que me dão trabalho, meu juízo me quebra e me enrolo toda na bagunça que eu mesma criei. Já analisei a situação, já criei hipóteses e até fiz estudo de caso comigo mesma, mas nunca consigo resolver a situação. Eu adio, esqueço, dou menos importância e faço qualquer coisa para evitar o confronto com as situações. Meu inconsciente me sabota e depois meu superego vem, todo bonitinho, me deixar com a autoestima baixíssima e com o sentimento de culpa batendo no teto.

É um combo perfeito: desmotivação + problemas = evitação. O problema disso tudo é que além de viver na bagunça, você sempre se acha incapaz. Não tem receita certa que cure esse mal. É um ciclo sem fim, esse da autossabotagem.


Sobre esse assunto, achei uma matéria interessante da Revista Vida Simples.

11 comentários:

  1. últimamente ando me sentindo perfeitamente assim. Me privo de coisas que gosto para "focar" no vestibular, mas acabo me sabotando e em estudo o tanto que gostaria e nem aproveito direito os momentos que deixo para relaxar :(
    xx, Ju
    http://cojuliana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu me sentia assim na época do meu vestibular, pois sempre queria estudar, mas nunca conseguia parar e estudar de acordo... Vida difícil, essa.

      Excluir
  2. Ai Lulu! Me identifiquei tanto com isso!
    Essa bagunça, o esquecimento, e falta de planejamento. Poderia ser a minha vida!
    Minha motivação vem quando a arma já está na minha cabeça, pronta para atirar.

    Trágico.

    Se descobrir como resolve isso, me avisa!

    (Amando você de volta aqui. ♥ )

    ResponderExcluir
  3. Me identifiquei com esse texto. Não por deixar tudo pra última hora, mas por me sabotar sempre que tenho que lidar com conflitos. Seja de interesse meu, seja de interesse dos outros. Deixo a coisa de lado até que ela caia no esquecimento, e depois, assim como você, acabo me sentindo mal por culpa.

    É difícil ser uma autossabotadora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, tu falou exatamente como me sinto. Essa coisa de lidar com conflitos é bem o que eu queria dizer.

      E sim, é difícil ser uma autossabotadora.

      Excluir
  4. Mas gente, desde quando você me conhece? Sou eu toda nesse texto rs :/ Ainda tenho fé de que um dia vou colocar minha cabeça no lugar!
    Bjs.
    Carolcentrismo

    ResponderExcluir
  5. Acredito que toda pessoa se autossabote em alguma área da vida...
    Porque estamos confortáveis demais em nossas malditas rotinas...
    Mudar é chato e dá um trabalho enorme...
    Adorei seu texto e de certa forma, me identifiquei com ele...

    Bjo, bjo!!!

    ResponderExcluir
  6. Cara, deixa eu te falar. Curti muito o post, mas nem sei o que comentar. Não sei como é estar na sua pele, e pela forma como você escreveu, pareceu ser uma coisa bem sua. Bem... Única, sabe?
    Essa bagunça, pode parecer uma solução simplória, mas o que acha de um diário. Uma agende, ou sei lá? Alguma coisa onde vc possa escrever sobre as tarefas cotidianas, e ao mesmo tempo sobre como você está se sentindo internamente, também. Vai que ajuda. Rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari, obrigada pelas dicas!
      Estou tentando adotar umas medidas para me organizar... na verdade, vou retomar, porque já tive essa mesma iniciativa no começo do ano.

      Beijo!

      Excluir
  7. Entendo perfeitamente. Eu era assim, até tomar a primeira atitude, e você sempre sabe qual é. Claro que da primeira atitude você não muda radicalmente, daí eu ia e enfiava o pé na jaca de novo, fazia certo e errava. Então um dia cansei. E estou há quase um mês fazendo o que é certo. É isso mesmo, é tipo reabilitação. Tem que ser trabalhado todo dia. Nunca espere a motivação chegar, ela não vem. É na hora que o momento pedir que você faz a escolha não é? É. Este é meu exemplo :) Espero que você consiga. Você é um firework meo.. Siga em frente. xero grande.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem como tu disse, Léa, é como uma rehab mesmo. Fico feliz que tenha conseguido!

      Obrigada!

      Excluir