Um fugging livro

29 de junho de 2013 //


Ano passado, por causa do Clube do Livro, descobri o John Green. Lemos A Culpa é das Estrelas em um tempo em que só se falava desse livro e de como ele é lindoemocionantetudodebom. E eu, manteiga derretida que sou, chorei do começo ao fim, me apaixonei pelo Gus e fiquei emputecida com o fato do João Verde (bjs, Tiêgo!) ter feito aquilo com o casal - ok, sem spoiler.

E daí que depois de conhecer o fantástico mundo do João Verde, saí em uma busca alucinada por outro livro dele. Afinal de contas, se ele escreveu ACEDE, a probabilidade dos outros livros serem do mesmo nível era enorme. Foi aí que dei de cara com O Teorema Katherine, que foi lançado pela Intrínseca esse ano e contou com uma semana especial entre os parceiros da editora, cheia de sorteios de kits e livros. Eu, louca das promoções, participei de várias e acabei faturando um kit do livro. Kit lindo, diga-se de passagem.

Apesar do ótimo autor que tem, vi várias resenhas falando mal de OTK, dizendo que nem chegava perto de ACEDE. Fui ler - cheia de receios, é verdade - e dei de cara com um livro diferente, mas bem legal. Resumindo tudo, o livro conta a história de Colin, um garoto que tenta a todo custo ser um prodígio e ter o seu momento eureca, e que teve nada menos que 19 namoradas chamadas Katherine. Depois do décimo nono pé na bunda, ele resolve elaborar um teorema que poderá prever o futuro dos relacionamentos amorosos. Para se recuperar do último chute, Colin resolve sair com seu amigo Hassan para uma espécie de viagem de autoconhecimento, digamos assim. E no meio da viagem eles vão parar em uma cidade chamada Gutshot, onde conhecem uma caipirona chamada Lindsay. É neste local que boa parte da história acontece.
"É possível amar muito alguém, ele pensou. Mas o tamanho do seu amor por uma pessoa nunca vai ser páreo para o tamanho da saudade que você vai sentir dela."
Pág. 141

Nem todo mundo gosta do Colin, eis a verdade. Ele é um moleque inteligente, mas que não tem uma noção muito boa de quando e como deve falar as coisas que sabe. Mas eu gostei dele, porque ele é tipo um cara deslocado, que não tem muitos amigos só por ser incompreendido. Sem falar que ele tem seus momentos engraçados e suas tiradas legais. Como eu gosto de gente estranha, gostei dele e fim. Mas quem rouba a cena do livro é o Hassan. Ele é engraçado, irônico e um fugging (leia e entenderá!) amigo. Esse sim merece cinco estrelas só por existir.

Além de tudo isso, a história tem muitos outros detalhes, mas que nem vou citar aqui para não tirar a graça. Só sei que mesmo não sendo um ACEDE da vida, OTK é um livro legal de ser lido. Ele tem doses de matemática - tanto que tem até um apêndice só sobre isso, feito por Daniel Biss, amigo do John Green -, mas que não deixam o livro chato. Enfim, só não dei cinco estrelas no Skoob porque não fiquei tão apaixonada.

10 comentários:

  1. Oii Lu, eu sou louca para ler esses dois livros que citou no post *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia, Mila, você provavelmente irá adorar! ♥

      Excluir
  2. Ah, Lu, eu tô lendo e tô pra lá do meio do livro e ainda não consegui me envolver muito. No começo, o livro é lento e quase não consegue nos prender. No meio, até que consegue um pouco, mas não como "A culpa é das estrelas". Eu ganhei um sorteio e vou receber esse livro ainda, mas não sei se vem com kit. Provavelmente virá só o livro. O Hassan é um fugging de um personagem mesmo. Muito divertido e engraçado. O Colin, apesar dessa mania irritante (pra mim) de ele querer ser genial e reconhecido por isso, ele tem mesmo seu lado legal e suas tiradas divertidas.
    A Lindsey é uma caipirona muito engraçada mesmo e a mãe dela também.
    Enfim, eu sei que, no fim, vou gostar do livro, mas nada que João Verde (Beijo, Tiêgo ²) se comparará a obra prima que foi "A culpa é das estrelas". Minha humilde opinião.

    Adorei seu post! ;)

    Beijo.

    Sacudindo Palavras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O começo é meio paradão mesmo, mas depois até que melhora e o Colin deixa de ser tão metido a gênio. hahaha E o Hassan é amor demais, nossa.
      Também acho que nada se comparará à ACEDE, mas ainda tenho esperanças com "Quem é você, Alasca?", que dizem ser lindo.

      Beijo!

      Excluir
  3. Ai, já estou a um tempão doida pra ler esse livro!
    Ouvi muitas pessoas falando bem dele e quero ter uma visão mais ampla do John, além da que tive com ACEDE!
    Essa semana vou ver se crio vergonha na cara e compro logo pra devorar ele! haha

    Adorei a resenha!
    Beijão! :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho linda essa ideia de ter uma visão mais ampla do John. Sou fã de quem quer isso!
      Espero que goste. ;)
      Beijo!

      Excluir
  4. HAHA Você até me fez ter vontade de ler o livro, sabia? Eu já li A Culpa é das Estrelas e não fiquei apaixonada como a maioria, mas acho que os livros do João Verde são uma boa pedida pra passar o tempo. Li recentemente Will & Will que é dele e do David Levithan e gostei bastante, então provavelmente vou ler Alaska e Katherine xD

    Enfim, adooorei seu blog, ele é absolutamente lindo e amor s2
    Beijinhos ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu estou doidinha para ler Will & Will, já está na lista dos que preciso comprar! hahaha
      Acho que tu vai gostar dos outros, mesmo não tendo ficado apaixonada por ACEDE (COMO?!).

      Beijo e obrigada!

      Excluir
  5. To louca por esse livro, mas to tentando terminar os q eu tenho aqui em casa antes de comprar mais... Haaha! Ainda mais que eu sou da área de exatas, entao o personagem principal me deixou muito curiosa! =D Adorei a resenha, e adorei mais ainda o João Verde! HAUhuehue!

    http://falaurupes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. O Teorema Katherine é diferente, bem como você falou. Ele não é *ruim*, ele é diferente. Particularmente, não é meu favorito do John Green, mas é um livro interessante.

    Amei teu título, um fugging livro, aheuaheahe.

    Beijooo!

    Raquel
    www.pipocamusical.com.br

    ResponderExcluir