Eu te amo, porra!

by - 20:44

True Love Will Find You In The End by Beck on Grooveshark

"Ela precisa de você admitindo que há um desconforto, um desânimo, uma doença, um perigo, uma crise. Ela quer que você atravesse junto dela. Ela precisa xingá-lo, que um sorriso seu dê um choque em seus ombros, que cada célula, milímetro e pelo do seu corpo a segure no chão, pois ela mesma está quase voando de vocês dois, para onde haja algo ligeiramente parecido com amor."
- Perca horas, não amor, Gabito Nunes.


Uma xícara de café - preto, forte e sem açúcar-, um copo de cerveja e nós dois em uma mesa de bar. Poderia ser o cenário perfeito para uma paquera, o início de um namoro ou sei lá o quê. Mas não. Todo aquele cenário apenas servia como pano de fundo de mais uma discussão idiota por algum motivo mais idiota ainda. Deveria ter sido uma conversa, mas virou um punhado de palavras vomitadas, vinte minutos de silêncio e algumas lágrimas contidas. Ela não gosta de chorar em público.

A rotina havia nos esmagado. Havia pouca conversa, pouco riso, pouco beijo e o pior, pouco sexo. E você, assim como eu, deve saber que relacionamentos não vivem de migalhas. Eu aprendi isso com ela, depois daquela briga que começou na cozinha e terminou com nós dois no chão da sala, mortos de cansaço após termos praticamente uma luta de UFC. Sabe como é, aquela raiva se mistura com amor, trocamos farpas e depois voltamos ao normal com uma boa rodada de sexo violento.

Mas essa noite estava diferente. E ela estava ali, insatisfeita na minha frente enquanto eu só conseguia imaginar que estava deixando-a ir embora. Ana sairia da minha vida, revoltada, ainda por cima.E era isso que ela estava fazendo. Quando me dei conta, com a bolsa em uma mão e a chave do carro na outra, ela já estava dizendo adeus. Mas eu amava feito um cachorro fiel ao seu dono. E eu fui fiel, a rotina é que nos traiu. Amor, só, é pouco. Percebi. Eu precisava fazer alguma coisa, virar o mundo de cabeça para baixo e fazer aquela mulher não ir embora.

Ela, que não gostava mito de salto, andava rápida pelas calçadas escuras cheias de gente bebendo. Eu corri, acelerei o passo, disse que amava, que mudaria e tentaríamos melhorar tudo juntos. Eu te amo, porra! - em alto e bom som. E ela parou, enfim. O mundo parou. Segurei-a pelo braço e dessa vez quem vomitou palavras fui eu. Entre pedidos de desculpas e promessas, concordamos em continuar. Beijei-a com força, peguei em sua cintura e disse que estava ali, disposto a tudo por ela, porque em terra de blecaute, quem mantém a chama acesa é rei.



"Em terra de blecaute, quem mantém a chama acesa é rei" - tema da semana do Desafio Blogueiro

Imagem: we♥it.

Você também pode gostar

9 comentários

  1. Gostei do texto, Luciana.

    Acho que seu gosto por Caio na verdade é uma identificação fortíssima com um estilo, por vezes, parecido. É que, você, é diferente, tem uma coisa meio ácida, um cutucão no ombro, sabe. É mais direta.

    Pior é que como o texto que escrevi do desafio passado esse seu também não tem um final lá tão feliz. Romance quando chega a um ponto de ambos se agredirem é que já não dá mais. Assim como você disse que o amor, só, não basta, o sexo também não. Acho que nessa volta o relacionamento da Ana e do cara ficou com gosto de salgado requentado no microondas: borrachento e espesso demais.

    Beijão! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu me vejo em tantos fragmentos de textos do Caio que chega a ser impressionante. E olha, eu nunca tinha pensado nessa coisa meio ácida. Mas gostei de saber disso.

      E sobre o final da Ana e do "cara", prefiro imaginar uma continuação clichê, na qual eles mantém a chama acesa e percebem que foram mesmo feitos um para o outro. Eu sou senso comum.

      Beijo, Fê!

      Excluir
  2. Texto perfeito, suas palavras são leves mais ao mesmo tempo tem um certo impacto, parabéns

    shakespearementiu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Putameeeeeeerda Luciana!
    Em terra de falta de inspiração quem escreve um texto desse é rainha! Uao.
    Tão verdadeiro e real que a gente pode tocar as palavras.
    Uao.

    Demais.beijos Lulis.

    ResponderExcluir
  4. Adoro a combinação texto e música. Não sei se é porque hoje estou extremamente sensível, mas tive que conter as lágrimas aqui ao te ler, Lu.

    O amor é uma pequenice que com o tempo pode se perder, sem dúvidas.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. amei o texto! realmente, hoje do dia ta difícil manter a chama. até porque muitas vezes ela nem existiu. e vou dar uma olhada nesse desafio :)

    xo

    ResponderExcluir
  6. Sabe quando você começa a ler e via e vai e para ali naquele cenário descrito? E no final fiz um som como " Tssssss" é algo como: caraaaamba que delícia de texto e que finalização! \0
    Ele fez muito bem de deixar o orgulho de lado e pegá-la pela cintura falando o que sente.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Gêmea, realmente bem diferente do meu. Hahahaha...
    É o mais legal do desafio. Cada trecho dá margem a uma porrada de interpretações.
    E a sua, pra variar, DEMAIS! E a música pra acabar de lascar os corações solitários desse mundão de meu Deus! Hahahaha.
    Lindo demais, gêmea. Quero um romance doido desse pra mim.

    Beijo, minha gêmea linda.

    ResponderExcluir