Profissão: vidente. Ou Psicóloga, se preferir

23 de fevereiro de 2012 //



Como muita gente que acompanha o blog já deve ter notado, me formei em Psicologia no final do ano passado. Também já devem ter notado que não costumo escrever sobre a profissão ou coisas relacionadas a ela por aqui. Não sei explicar, só não consigo escrever sobre isso aqui e fim. Talvez uma terapia me ajude, mas ainda não percebi nada de errado nisso. Enfim, voltemos ao foco. A questão é que passei o dia inteiro martelando algumas ideias após uma conversa besta entre colegas na qual eu estava envolvida, claro.

A questão é que adoro argumentar, eis um fato. Talvez a vida acadêmica realmente tenha me ajudado nisso, pois na faculdade, éramos estimulados a sair do modelo do ensino médio e finalmente adotarmos a postura de críticos diante de uma situação "x". Então, me acostumei a isso e hoje não tenho mais vergonha de argumentar. Defendo o meu ponto de vista e fim. A questão é que nem todo mundo tem esse costume de falar o que pensa de uma forma, digamos, sensata. Geralmente tudo vira uma discussão sem fim e, se não tomarmos cuidado, vira até briga com direito a gritos e torcida.

Até aí, no problems. O que me deixou encabulada, digamos assim, foi o fato de algumas pessoas acreditarem que eu argumento bem pelo simples fato de ser psicóloga. De acordo com a teoria que ouvi hoje, o fato de ser psicóloga faz com que eu saiba exatamente o que falar/argumentar em determinada situação. Traduzindo com minhas palavras, é como se eu tivesse um poder de persuasão tão monstro, que sou capaz de te convencer que o céu é rosa choque com bolinhas verde limão. Pode?

Isso ainda me levou mais longe. Comecei a reparar na opinião que os meus amigos "não psicólogos" tem sobre os psicólogos. Muita gente acha que, como me disseram hoje, induzimos as pessoas a falarem e a mudarem seus comportamentos e ideias. Ou mais, tem gente que acha que simplesmente conseguimos adivinhar o que a outra pessoa pensa. Também já vi gente achando que somos meros conselheiros ou que fazemos a mesma coisa que aquele melhor amigo faz quando você está sofrendo por algum motivo.

Gente, como pode as pessoas ainda pensarem isso em pleno século XXI? Juro que ainda me pergunto isso. Porque mesmo que você nunca tenha ido a uma terapia e nem conheça alguém que já tenha ido, basta acessar algum site confiável na internet e notar que psicologia vai além de "sente aqui e chore suas mágoas que a(o) titia(o) psicóloga(o) vai enxugar suas lágrimas e lhe dar a receita do sucesso". Não gente, assim não dá.

Entendam, de uma vez por todas, que o psicólogo vai ser aquela pessoa que não vai se tornar mais um membro do seu círculo social. Vocês estabelecerão sim uma relação próxima (EU DISSE PRÓXIMA, NÃO IGUAL!) da amizade, afinal de contas, você precisará confiar nele para contar detalhes da sua vida. Além disso, ele não te dirá como agir, ele vai te ouvir e te ajudar a pensar qual a melhor solução. No fim das contas, você é quem vai pensar na solução. Além disso, psicólogos também não induzem ninguém a mudar. Mudanças são progressivas e frutos de um trabalho conjunto, o cliente precisa se envolver. O psicólogo não vai adivinhar nada, você é que precisará ir falando. A terapia é sua, não dele.

Por fim, acredito mesmo que o que falte para as pessoas pararem de ver os psicólogos como videntes é a informação. Essas são banalizações que acontecem e que só quem é da profissão consegue entender. Acho que depois disso, se esse texto não ajudar, pelo menos me serviu de desabafo. É isso.


Imagem: we♥it.

6 comentários:

  1. Lu, gostei muito desse texto. Vou contar que fui procurar terapia pq eu queria MUITO conseguir argumentar e demonstrar mh opinião sem ser agressiva, como eu era, eu queria ser mais assertiva. Faço terapia há mais de 3 anos e penso que não quero parar tão cedo, pq simplesmente me faz refletir sobre mim, meu comportamento e o comportamento alheio, passei a entender mais a mim mesma e aos outros. Também tenho muitos amigos psicólogos e essa confusão é básica. Eu tenho um pé atrás ao contrário tipo: será que ele acha que eu to procurando pra conversar só pq ele é psicólogo? Aí relaxo porque afinal eu já tenho terapeuta, não to precisando de outros. =D 

    Bjos

    ResponderExcluir
  2. é um fato mesmo amor, psicologo não é o amiguinho! nem conselheiro, nem vidente,
    é aquela pessoa que vai te ajudar a ver coisas da sua vida ou algo que você não esta conseguindo ver vai te mostrar que existem mais coisas além das opções que já tem.

    Otimo texto amore!

    Te amo!

    ResponderExcluir
  3. Já fiz terapia em duas ocasiões diferentes, e nunca vi a psicóloga como uma "amiguinha" ou "ombro para chorar". Também nunca fui induzida a nada e muito menos ela adivinhava o que se passava na minha cabeça. Pelo contrário.

    Durante algumas conversas, sutilmente a psicóloga "enfiava o dedo" em certas feridas e cabia a mim escolher se faria elas cicatrizarem ou se continuaria sentindo dor. Nessa época eu era um pouco fechada e rancorosa, então algumas sessões foram sofridas, tediosas ou carregadas de raiva. Mas o que importa é que eu sobrevivi e sou muito grata ao período que pude fazer terapia.

    Como você disse, a psicóloga apenas me ajudava a prestar atenção nas soluções e nos caminhos que eu poderia seguir.  No fim, eu sabia onde estava o problema e tive apenas que trabalhar a aceitação desse problema. Depois era só criar força de vontade para consertá-lo.

    Enfim. Não se preocupe com a opinião das pessoas. Ainda há muitas mentes atrasadas.

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito do seu texto e concordo contigo no sentido de que as pessoas precisam se informar melhor a respeito da nossa profissão - digo, sua profissão e minha quase profissão; ainda estou no 5º período do curso.
    Talvez isso ocorra porque a nossa imagem foi construída dessa forma socialmente. Minha mãe até hoje acha que posso resolver todos os problemas familiares só porque estudo Psicologia. Ou que sei exatamente os motivos de ela se comportar de uma maneira 'x'.
    É até engraçado. Mas é isso aí. Parem de nos confundir com videntes!

    ResponderExcluir
  5. Tô contigo e não abro, gêmea. Infelizmente ainda temos que lidar com certas conclusões desse imaginário popular de que psicólogo é vidente, o 'resolve tudo', aquele amigo...
    Enfim, adorei o texto. Em nome da classe... hahaha

    ResponderExcluir
  6. É, Lu... Eu entendo seu ponto de vista e concordo em praticamente tudo. Lógico que como em qualquer profissão existem os conhecimentos técnicos, e como psicólogos estudam, lidam e desenvolvem um conhecimento enorme em lidar com a mente humana, entender várias coisas, estudar linguagem corporal e etc, muitos tem essa visão um tanto equivocada. Como diria minha psicóloga - Dra Olga Inês Tessari: "O bom psicólogo, o verdadeiro psicólogo não analisa tudo e todos a sua volta." e concordo com isso.


    Também sabemos que hoje em dia, verdadeiros perdidos tem se formado em psicologia com o objetivo de ter as respostas para suas próprias questões o que é um tanto quanto perigoso ao ver uma pessoa transtornada e problemática atender pacientes por aí a fora, não acha? Confesso que desde 2010 passei a ter minha reservas com psicólogos e estudante de psicologia. Ainda estou na superação de um trauma. Fui vítima de uma psicopata (você que é psicóloga sabe que isso não é coisa de filme e de série) e ela está terminando a pós dela na USP. E adivinha... É psicóloga. Então isso gerou um medo daqueles em saber que tem um psicólogo perto de mim que não seja a minha. É defensiva total. E justamente por esse pensamento que hoje sei que é equivocado:
    Achar e acreditar piamente que todo e qualquer psicólogo manipula conversa, diálogos, pontos de vistas, argumentos e todo o todo para que passemos a agir de acordo com aquilo que eles querem. Hoje vejo que isso pode até acontecer em alguns casos. De pessoas / profissionais problemáticos e que precisam sempre se auto afirmar e etc, mas que não é algo que defina a profissão e muito mesmo quem decidiu optar por ela.Beijo!

    ResponderExcluir