Divórcio de mim

9 de fevereiro de 2012 //

Blackbird by Evan Rachel Wood on Grooveshark

Ando pensando demais, sentindo demais e fazendo de menos. Ando me traindo. Não é justo. De todos os sonhos e expectativas, vão sobrando as dúvidas e receios. Ficam os passos para trás, as estagnações. Fico parada à espera do milagre divino, mas por outro lado não consigo esquecer que ele não virá enquanto eu não me mexer. O caminho se faz ao andar, já disse o poeta espanhol.

Dizem que é difícil crescer. Hoje, no auge da minha síndrome de Peter Pan disfarçada, constato que sim, que é difícil crescer. Mas também é inevitável. É preciso ser clichê e correr os riscos, se jogar dos precipícios que a vida coloca à sua frente e tentar sobreviver à queda. É preciso sobreviver às nossas mortes cotidianas. É preciso mudar. Se adequar às necessidades que vem com o tempo é fundamental e não existe receita pronta de como fazer sua vida virar um lindo roteiro de Hollywood no qual tudo dá certo no final.

E diante de tudo isso, só me resta uma alternativa. Hoje, peço divórcio de mim. Chega de traições, de metas não cumpridas e pendências que torturam e provocam sentimento de culpa. Não é que esteja ruim, mas pior do que está não fica. Me divorcio hoje e vou em busca da minha outra face, o meu lado oposto.


Imagem: Emi Vieira

11 comentários:

  1. Por que será que tem que ser tão difícil crescer, seguir em frente e guardar o passado numa caixinha de lembranças?
    Acho que vou seguir teu exemplo e me divorciar de mim também. Pelo menos nesse divórcio a gente não divide os bens. haha
    Beijo Lu

    ResponderExcluir
  2. Às vezes, sinto que parei no tempo. E por mais que eu tente nada flui como o planejado, isso também desanima. Esse divórcio tem que acontecer de maneira que não exista nem reconciliação, viu... Odeio brincar de gente grande. Cadê máquina do tempo?! rs
    Beijo, adorei a música.

    ResponderExcluir
  3. O lance é que antes do divórcio sempre vem a análise, os prós e contras, e um baita empenho, mas é preciso se desprender pra se prender em algo a mais.

    ResponderExcluir
  4. Lu, acho que nunca teve um texto seu que me traduzisse tanto e dizesse o que eu venho pensando há tantos meses. A gente cresce e parece que os sonhos diminuem pra caber no nosso tempo que já não é tão grande como era lá trás. Crescer dói e parece que as vezes a gente têm de ir se esticando pra alcançar o que a gente tem de ser, mas que acho que ainda ia demorar pra ter de ser. Entende? hahahah eu adoro comentar aqui, divagando! =D 

    Bjos

    PS: Você fugindo de Foucault e eu de Umberto Eco, Iser, Barthes, esse povo não nos deixa!!  

    ResponderExcluir
  5. A cada dia vamos em busca do nosso lado que teima sempre,
    que nos faz pensar, que nos deixa na duvia ou nos tira dela,
    um lado que seria o mesmo lado, cada pessoa tem dois para formar um.

    Te amo pequena! e vamos sempre seguir em frente! e voltar quando for preciso mas nunca parar.

    ResponderExcluir
  6. Ando assim também. Vamos em busca do nosso eu perdido. :))

    ResponderExcluir
  7. Me pergunto a mesma coisa, Gabe.

    Por isso me divorciei, mesmo sendo um processo sofrido, é necessário. xD

    Beijo!

    ResponderExcluir
  8. É triste quando planejamos e nada dá certo, aff. E concordo contigo, o divórcio tem que ser na calma, um processo.

    Cadê a máquina do tempo? [2] kkkkk

    Beijo e obrigada! =)

    ResponderExcluir
  9. Concordo com você!
    Mas realmente é preciso fazer um balanço geral para poder tomar a decisão.

    ResponderExcluir
  10. Sabe que eu me identifico com você, né? kkkkk
    Fazemos nossas as palavras uma da outra. E adoro quando você divaga por aqui, sempre é legal.

    Sim, eu continuo fugindo do Foucault kkkkkkkkk

    Beijo, Lu!

    ResponderExcluir
  11. Quando terminei a faculdade, veio o alívio.
    Mas os dias foram passado e os medos e receios foram aparecendo... Posso dizer que me cobrei demais para coisas que eu realmente não tinha certeza. Nunca a frase "o que você quer ser quando crescer" me assustou e incomodou tanto.
    Ser questionada pela prima de 9 anos, "Duda no que você trabalha" foi a gota dagua para poder AGIR. Após um ano de tentativas frustradas hoje me encontro, não sei se arrisquei pouco, mas tudo que fiz foi acontecendo de maneira certa. Não é possível decidir da noite para o dia algo que pode ser definitivo até o dia que não pertenceremos mais a este mundo.

    obs: como vc coloca musica no post do blogger? *_*

    ResponderExcluir