Paixão

23 de julho de 2010 //


"sem sofrimento, não há romance".


Seria uma noite irrelevante, sexta-feira daquelas em que saímos para encher a cara e, se tivermos sorte, encontraremos alguma mulher com a qual não acordaremos no dia seguinte. Seria, assim mesmo, nessa conjugação verbal. O roteiro da noite mudou exatamente enquanto eu estava naquela mesa de bar e a reta do meu olhar se encontrou com a reta do olhar dela. Infinito, desde então. Paquera, flerte, ou como quiser chamar, só sei que após algum quarto de hora já estávamos próximos e quase íntimos.

Daí em diante fomos vendaval. Eu tinha a certeza de que entre nós havia mais do que a famosa química. Éramos química, física, geografia e qualquer outra matéria que pudesse ser dita. Éramos sol e lua, frio e quente, amargo e doce. Ela havia chegado e, em pouquíssimo tempo, já havia roubado de mim algo além do desejo. Ladra sem vergonha que fazia meu estômago dar voltas e eu me sentir um babaca apaixonado com apenas uma madrugada febril. Fiz dela o meu país estrangeiro e ela fez de mim o que bem quis. Eu sabia, sabia que estava prestes a agir como uma mulherzinha, mas sim, eu pretendia tê-la mais de uma vez e, quem sabe, por longos anos.

Fiquei louco, insano e ela sorria para mim, ofegante e fazendo charminho com aquelas unhas longas e vermelhas. Pedaços do meu sangue em seus dedos. Um pacto silencioso e até então unilateral. Depois de muita brincadeira, ela dormiu no meu peito e eu respirei, adormeci. Sonhei mais insanidades, talvez um reflexo de carência ou desejo de realidade. Foi real, era real.

Dia seguinte, manhã de sábado e a cama vazia. Meu estranho amor havia escoado pelo ralo, foi levado embora por ela, a ladra que amei por uma madrugada. Acreditei que havia despertado algo nela, um pouco do que ela havia despertado em mim. Levantei e no espelho havia colado um papel que dizia:

"Te faço sofrer com a agonia da espera, mas sofrimento é tempero do romance. O amor é triste e a paixão há de ser como a noite: eterna. Se quiseres a eternidade comigo, assim como quero contigo, me procura. Um beijo, Ana. 35554789"


Em seguida, tudo que ouvi foi sua voz dizendo oi e a eternidade apenas começando.




Texto escrito ao acaso e completamente inspirado por este vídeo aqui, que traz cenas do filme Romance com a música "Nosso estranho amor", do Caetano Veloso.



Imagem: daqui.


14 comentários:

  1. Que texto mais envolvente. Ameiii

    ResponderExcluir
  2. Luuuuuuuu, que texto fascinante, muito envolvente.
    Você descreveu de uma forma que ao ler podíamos sentir o que acontecia... muito interessante.
    Lindo texto,
    bjsssssssssss

    ResponderExcluir
  3. Impressionante sua descrição quanto a paixão, pois eu observei o quanto envolvente o texto se mostrou.
    São raros os textos que envolvem tanto quanto o descrito.
    Meus parabéns!!!
    Tenha uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  4. gosto de ser sugada pelo ralo, gosto estranho esse meu, aparecer e depois sumir é uma das coisas que faço de melhor (na falta da minha capa de invisibilidade)

    escreve tão bem que sinto inveja.

    ResponderExcluir
  5. Eu não sei se acredito em eternidades.
    É uma utopia interessante.. É poesia.
    Mas gostei bastante do conto, mamis.
    Sempre escrevendo tão bem..
    =**

    ResponderExcluir
  6. adorei o texto, muito bom.
    queria ver o video, mas nao consegui link nenhum =(

    beijoos flor

    ResponderExcluir
  7. Nossa, tão bonito esse conto.
    As vezes acontece bem assim, sem querer.
    O video eu tinha visto no teu orkut e amei.
    Tenho que ver este filmeeee!

    BeijO Amada!

    ResponderExcluir
  8. HAHAHA Os homens deveriam ler isso, afinal, quando acontece o contrário, a gente fica sem chão, sem teto e sem parede. haha

    Muito bom, muito.

    ResponderExcluir
  9. Oi, é com grande prazer que dedico um SELO para você.

    Entra no Viveiro de Versos.


    Forte Abraço!!!

    ResponderExcluir
  10. Que perfeito Lu!
    Quando estava desacreditada da eternidade, lendo sobre o lençol vazio, tu cala a boca de todo mundo, terminando o texto com perfeição. Amei!
    Ô tema bom pra uma postagem coletiva.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  11. Algumas noites valem por um vida inteira, sabe!

    Charlie B.

    ResponderExcluir
  12. Isso mesmo, algumas noites valem por uma vida inteira... pensei que o texto fosse terminar em angústia, mas terminou tão leve! Adorei.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  13. Tem um selo pra você no meu blog.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Cacetada!
    Cacetada de novo!
    Muito bom esse teu post. Jesus, bem escrito e sei lá, mexeu comigo.
    Bem queria que houvesse mais homens dispostos a viver eternidades, amando com essa sinceridade e vontade toda.

    Um beijo.

    ResponderExcluir