Bolero de lua cheia

14 de dezembro de 2008 //


Bolero de lua cheia


Bolero chorado
Versos cifrados em melodia
Murmurada, desolada
Entre quatro paredes cantada
No mais absoluto silêncio
Da noite quente de lua cheia
Inspiradora de amores e dores
Lembranças e desejos secretos.

Por entre sono e sonho
Sons dos versos atormentam
E lamentam a ausência
De algo que se foi
Sem nunca ter estado presente

Do bolero ouve-se o lamento de amor
Embriagado e inspirado
Pela luz amarela de uma lua
Imponente em sua beleza
E protetora em sua dor.


- Luciana -

6 comentários:

  1. Olá!

    Queria agradecer a visita gentil que vc fez no meu blog.
    Seu espaço tb é muito bacana e os textos ótimos..
    bjinhos e volte sempre

    ResponderExcluir
  2. Lua essa que canta e alegra com seu bolero todo cheio de si...

    ;*

    ResponderExcluir
  3. Lú, adorei seu poema! Principalmente essa parte:
    'E lamentam a ausência
    De algo que se foi
    Sem nunca ter estado presente'
    baaci.

    ResponderExcluir
  4. Os sonhos sonhados diante do sem sono... emoldura minha vontade lúcida.

    Bjs moça,




    Novo Dogma:
    saCro...


    dogMas...
    dos atos, fatos e mitos...

    http://do-gmas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. muito bom, me lembrou zeca baleiro, rsrs
    parabns

    ResponderExcluir