Suicídio em versos...

24 de julho de 2008 //


Suicídio em versos

Ah! Dê-me um sonífero eterno!
Algo que entorpeça a minha existência
Que me faça desligar desse mundo insano
E me deixe afastada de mim por algum tempo.

Um ópio para minha vida
Um desligamento para minha mente
Um entorpecente para minha dor
Algo que me faça dormir eternamente!

A tristeza mais uma vez invade meu ser
Maltrata, cansa e com ela vem a dor
Uma dor irremediavelmente profunda
E torturante como pequenas lâminas a me cortar

Pensamentos suicidas invadem como ondas no litoral
A morte parece tão saborosa aos meus olhos
Uma escapatória duplamente perigosa
E ao mesmo tempo fascinantemente real.

Será fascínio como dizem?
Não! Talvez a dor seja suficiente para tal ato
Violação do próprio corpo
Sangue escorrendo pelos meus dedos

O chão está gelado e aqui faz tanto frio
As marcas deixaram de ser somente internas
Eis o fim de uma vida em potencial
Só isso, de que adianta lamentar?


- Luciana -

2 comentários:

  1. Muitas vezes apenas acontecimentos dolorosos são ainda capazes de fazer acordar em tempo um espírito humano semi-adormecido. Isso é então um ato de graça do Amor divino, que não permanece parado onde existe a possibilidade de auxílio, evidenciada pelo anseio de um ser humano bom em melhorar. A chama de uma fogueira que está se apagando também se vivifica e se fortalece quando é atingida por um vento mais forte.

    ResponderExcluir
  2. grande Luciana!
    uma pessoa q admiro tanto!


    Bjaum grande

    como carinho ..

    daniel sanches

    ResponderExcluir